Buscar
  • FrenteEmFefesaDoSuas

A FRENTE NACIONAL DENUNCIA

🗣O Governo Bolsonaro instituiu o Decreto 10.570, no dia 9 de Dezembro se 2020, denominado “EstratĂ©gia Nacional de Fortalecimento dos VĂ­nculos Familiares”.


âœŠđŸŸA Frente Nacional repudia qualquer tipo de ação que exclua, vĂĄ contra a diversidade, liberdade, igualdade e imponha um modelo de famĂ­lia.


📱Denunciamos essa medida do governo, some sua voz!


#repost


❗Nota DenĂșncia: Contra o decreto de nÂș 10.570 de Bolsonaro


Numa sucessĂŁo de decretos e medidas que desmontam polĂ­ticas que estruturam nosso sistema pĂșblico e dificultam a participação popular, o governo de Jair Messias Bolsonaro acaba de sair com mais uma de suas investidas que atacam diretamente as mulheres.


O Decreto de nÂș 10.570, publicado dia 9 de dezembro de 2020 cria a “EstratĂ©gia Nacional de Fortalecimento dos VĂ­nculos Familiares”, que alĂ©m de nĂŁo deixar nĂ­tido suas açÔes especificamente e nem o que o governo considera como famĂ­lia, institui um “ComitĂȘ Interministerial da EstratĂ©gia Nacional de Fortalecimento dos VĂ­nculos Familiares”.


Tal ComitĂȘ serĂĄ presidido pelo MinistĂ©rio da Mulher, da FamĂ­lia e dos Direitos Humanos na figura de Damares Alves, alĂ©m de representantes da Casa Civil da PresidĂȘncia da RepĂșblica, MinistĂ©rio da Educação, MinistĂ©rio da Cidadania e MinistĂ©rio da SaĂșde.


NĂłs sabemos qual formato de famĂ­lia que Bolsonaro e de todos que estĂŁo em seu governo, especialmente a Ministra Damares, defendem: branca, heteronormativa e cristĂŁ.


O Decreto fere a possibilidade de autonomia e emancipação das mulheres na medida que reforça esse modelo que exclui a maioria dos lares brasileiros, chefiados por mulheres, majoritariamente negros, com filhos ou ainda por casais homoafetivos ou ainda as comunidades indĂ­genas. Ao instituir essa EstratĂ©gia e a criação de um comitĂȘ, o governo quer ao mesmo tempo impor um modelo de famĂ­lia, perseguir e criminalizar casais LGBTs, restringir programas pĂșblicos de saĂșde.


Nós não nos enganamos com as palavras sobre reconhecimento do valor social do cuidado que, na perspectiva familista e conservadora que rege o projeto de Bolsonaro, significa o reforço da divisão sexual do trabalho, empurra as mulheres ao trabalho doméstico e de cuidados feito gratuitamente, exaltando as mulheres que abdicam da vida para serem donas de casa e relegando à nós apenas esse lugar de servidão.


Nessa Ă©tica reacionĂĄria do cuidado, o Estado e os homens continuam sem assumir responsabilidades efetivas com a sustentabilidade da vida.


Insistimos que nĂŁo basta “reconhecer” o cuidado, Ă© preciso reorganizar as dinĂąmicas e responsabilidades com o trabalho domĂ©stico e de cuidado, tendo como horizonte a construção de igualdade.


Se Bolsonaro e Damares estivessem de fato preocupados com as famĂ­lias brasileiras, este governo nĂŁo teria levado Ă  cabo a reforma trabalhista e da previdĂȘncia que empurra para a misĂ©ria milhares de pessoas, idosas em especial, nĂŁo teria cortado pela metade o auxĂ­lio emergencial e estenderia atĂ© que a pandemia parasse de ceifar vidas. Teria um plano imediato de vacinação de toda a população brasileira e no mĂ­nimo teria respeito Ă s mais de 180 mil famĂ­lias que perderam parentes e pessoas queridas para a covid-19.


Despatriarcalizar o estado!

Fora Bolsonaro!

Resistimos para viver, marchando para transformar!


âœŠđŸŸMarcha Mundial das Mulheres


+ Clique para ler mais





Fonte: Marcha Mundial da Mulheres

22 visualizaçÔes0 comentårio