top of page
Buscar
  • FrenteEmFefesaDoSuas

25 de novembro: Dia Internacional pelo Fim da Violência contra a Mulher

Agressão, ameaça e violência psicológica não é amor. É crime! Denuncie.


Apesar dos avanços como a instituição da Lei do Feminicídio, nº 13.104/15 e a Lei Maria Penha nº 11.340/06, o Brasil ainda é o país que mais mata mulheres na América Latina. De acordo com dados das Secretarias de Segurança Pública - SSPs , mais de 4 mil são assassinadas por ano.


Em 2020, o quadro se agravou durante a pandemia, quando muitas vítimas ficaram mais expostas aos seus agressores. E, ainda com o afrouxamento das regras de controle de armas e munição apoiadas por Bolsonaro.


Se forem observados os recortes de raça, segundo o Atlas da Violência de 2021: 66% das vítimas são negras. A Lei Maria Penha impulsionou a discussão sobre a problemática e encorajou a população a denunciar, mas ainda há muito a ser feito.


Muitas mulheres não conseguem denunciar por medo, dependência financeira, e por estarem emocionalmente fragilizadas. E ainda há a culpabilização das vítimas, incentivada por uma cultura machista.


Por isso é importante denunciar. As denúncias podem ser feitas pelo Disque 180, 100 ou pelo 190 (polícia).


SUAS no enfrentamento da violência contra as mulheres

O SUAS promove uma grande rede de combate a violência contra a mulher por meio do Centro de Referência Especializado de Assistência Social – CREAS; que oferecem acolhimento e atendimento psicológico e jurídico às vítimas.


Os CREAS também trabalham em conjunto com Delegacia da Mulher, que encaminha denúncias, e também com as secretarias de Saúde do estados para atendimento psicológico e o Centro de Atenção Psicossocial – CAPS, quando necessário. Assim, muitas vítimas encontram apoio para se afastar de seus agressores.


Portanto, o Estado deve direcionar mais recursos às instituições como os CREAS, bem como criar políticas públicas que acabem com a desigualdade de gênero, dando a essas mulheres condições para romper com o ciclo de violência.


Origem da data


A data foi instituída pela Organização das Nações Unidas - ONU, em 1999, em homenagem às ativistas dos direitos humanos “Irmãs Mirabal”, assassinadas nesta mesma data, em 1960, na ditadura da República Dominicana. Conhecidas como “Las Mariposas”, as três irmãs Pátria, Minerva e Maria Teresa, se opuseram contra o regime do ditador Rafael Trujillo, que perdurou de 1930 a 1960.


 

Texto: Hallana Costa, jornalista graduada pela Universidade de Brasília (UnB), atua na Assessoria de Comunicação da Frente Nacional em Defesa do SUAS.


22 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page