top of page
Buscar
  • FrenteEmFefesaDoSuas

20 de Novembro: Dia da Consciência Negra

Para construir uma sociedade igualitária é necessário reforçar a luta antirracista todos os dias




Como uma forma de celebrar a comunidade negra e sua contribuição para a história do Brasil, a data, oficializada em 2011 pela lei nº 12.519, também marca a luta contra o racismo no país pelos Movimentos Negros.

Contudo, em relação as estatísticas, não há muito o que comemorar. De acordo com o Relatório das Desigualdades de Raça, Classe e Gênero, realizado em 2018 pelo Grupo de Estudos Multidisciplinares de Ação Afirmativa, embora 55% da população brasileira seja composta por pretos e pardos, esse grupo ainda é minoria no ensino superior, na mídia, na política e nos demais espaços de poder na sociedade.

Pesquisas mais recentes, apresentadas em 2021 na CPI da Pandemia, apontaram que a taxa de mortalidade foi maior entre negros do que nos outros grupos. E ainda, o desmonte das políticas sociais pelo atual governo, agravaram a fome e a violência sob essa população.


Segundo o autor Silvio Almeida, o racismo é estrutural e faz parte de processos políticos e históricos. Desta forma, se manifesta na desigualdade de oportunidades entre os diferentes grupos raciais. Portanto, o Dia da Consciência Negra é um convite a reflexão e a discussão desse tema, e não uma maneira de impor uma supremacia.


Tendo em vista que a defesa das políticas sociais integra a luta antirracista devemos reforçar essa luta para assegurar a proteção e a seguridade social. Por isso, a Frente Nacional em Defesa do SUAS ressalta a importância de levar essa luta para além do dia 20 de novembro.




Saiba mais dados da desigualdade acessando: http://gemaa.iesp.uerj.br/relatorio-das-desigualdades-gemaa-no-2/


ou https://www12.senado.leg.br/radio/1/noticia/2021/10/29/relatorio-da-cpi-aponta-que-populacao-negra-foi-mais-atingida-durante-a-pandemia



Mais Referências:


ALMEIDA, Silvio. Racismo estrutural. São Paulo. Pólen, Coleção Feminismos Plurais, 2019.























 

Texto: Hallana Costa, jornalista graduada pela Universidade de Brasília (UnB), atua na Assessoria de Comunicação da Frente Nacional em Defesa do SUAS.


18 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page