top of page
Buscar
  • FrenteEmFefesaDoSuas

18 de novembro: Dia do/a Conselheiro/a Tutelar

A data celebra o papel desses servidores para a proteção dos direitos da criança e do adolescente e para a democracia participativa.

Instituída em julho de 1990 pela Lei 8.069, do Estatuto da Criança e do Adolescente - ECA, a função de Conselheiro Tutelar busca de forma ativa assegurar os direitos de crianças e adolescentes.

Contudo o país vem sofrendo um retrocesso nas políticas sociais. Desde 2018, as ações voltadas para esse grupo vêm sofrendo constantes ataques de Bolsonaro.

Em diversas declarações o atual presidente posicionou-se contra o ECA. Em uma de suas falas, o então candidato disse que o estatuto deveria ser “jogado na latrina” por estimular a vagabundagem e a malandragem infantil e que presta um desserviço à sociedade. (https://www.youtube.com/watch?v=im4ZvaCg2Fg).

É importante ressaltar que, além de auxiliar na construção de uma sociedade mais democrática, o ECA prevê o trabalho permanente e autônomo do Conselho Tutelar nos municípios, fiscalizando as situações de risco e vulnerabilidade.

Por isso, a Frente Nacional em Defesa do SUAS, celebra esta data e reforça a importância dos Conselheiros Tutelares para a garantia desses direitos ignorados pelo atual governo.

O papel do SUAS para o Conselho tutelar

O Sistema Único de Assistência Social (SUAS) também é fundamental na proteção dos direitos das crianças e adolescentes, pois é responsável pela regulação e organização dos serviços, programas, projetos e benefícios para a prevenção e combate à violação de direitos.

Entre o conjunto de serviços destinados ao atendimento dessa população estão: o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, o Serviço de Proteção e Atendimento Especializado a Famílias Indivíduos (PAEFI), a Prestação de Serviços à Comunidade (PSC) e demais ações.

As principais estruturas que compõem a rede do SUAS são os CRAS, CREAS e Centros de Convivências. Essas unidades são fundamentais para a execução dos serviços junto ao Sistema de Garantias de Direitos da Criança e do Adolescente.


Por meio de um modelo de gestão descentralizado e participativo, o SUAS destina recursos federais para os municípios, de acordo com especificidades regionais, sociais, econômicas e demográficas.

Desta forma, para fortalecer a atuação dos/as Conselheiros/as Tutelares, é de extrema urgência a aprovação da PEC 383/2017, que assegura recursos mínimos da União para os serviços do SUAS.




 

Texto: Hallana Costa, jornalista graduada pela Universidade de Brasília (UnB), atua na Assessoria de Comunicação da Frente Nacional em Defesa do SUAS.

17 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page